The Church Historian's Press The Church Historian's Press

50

Oração: Uma coisa pequena e simples

Ver byutv.org para a gravação original do discurso (cortesia BYUtv).

Conferência das mulheres da Universidade Brigham Young

Marriott Center, Universidade Brigham Young, Provo, Utah

28 de abril de 2011


Desde a infância, Virginia Hinckley Pearce (nascida em 1945) observou que seus pais faziam da oração e do serviço na Igreja uma parte importante de sua vida cotidiana. Ela se lembra de quando ela ou um de seus irmãos estava particularmente preocupado com um problema, seu pai, Gordon B. Hinckley, dizia: “Apenas faça suas orações e vá dormir. Levante-se pela manhã e vai ficar tudo mais claro”.1 Virginia aplicou esse bom conselho, e sua própria reafirmação dele é: “Apenas faça suas orações, vá dormir e, quando acordar pela manhã, vá trabalhar”.2 Reunir-se para a oração familiar, ir à igreja e trabalhar em designações da Igreja parecia uma parte natural de sua vida familiar, não algo em uma lista que ela precisava concluir. Ela via que o trabalho da Igreja para sua mãe, Marjorie Pay Hinckley, era “parte do que ela era”, e que ela sempre parecia cheia de energia fazendo esse trabalho e não pressionada ou chateada.3

Virginia se formou em história e se especializou em inglês na Universidade de Utah, concluindo o último ano em 1967 na Universidade de Nebraska, enquanto seu marido, Jim, estudava medicina na Creighton University School of Medicine.4 Seus primeiros filhos vieram um atrás do outro: quando sua filha mais velha tinha dois anos, Virginia teve filhas gêmeas e, 18 meses depois, ela teve outra filha. Ela esperou vários anos antes de ter outra filha e outro filho.5 À medida que se aproximava a ocasião de seu filho mais novo começar o primeiro ano do Ensino Fundamental, ela pensou em fazer pós-graduação e percebeu que o que ela mais gostava da história e literatura era observar as pessoas crescendo e aprender como facilitar esse processo.6 Ela decidiu estudar serviço social, completando o mestrado na Universidade de Utah em 1988. Em seguida, ela trabalhou por pouco tempo para o departamento de saúde mental do condado de Salt Lake antes de ingressar na junta geral da Primária, mais tarde naquele ano.7 Depois de concluir sua graduação, Virginia também atendeu clientes em uma clínica particular, parando em 1992 quando se tornou primeira conselheira na presidência geral das Moças.8

Embora seu tempo praticando serviço social tenha sido curto, ela relata ter se sentido compelida a concluir esse treinamento e acredita que a experiência influenciou todo o seu serviço humanitário na Igreja desde aquela época. Em suas responsabilidades com a Primária e as Moças, ela trabalhou para treinar as líderes locais e apoiar os membros da Igreja de outros países. Ela trouxe um entendimento fundamentado na natureza da adolescência para seu trabalho na organização das Moças, inclusive o que significa a busca de identidade de uma pessoa jovem e como apoiar melhor o crescimento de um adolescente.9 Com as outras irmãs da presidência das Moças, ela queria ajudar “toda moça a se tornar uma mulher de fé justa e capaz de resolver problemas”.10

A própria identidade de Virginia Pearce está intimamente ligada a histórias sobre sua descendência. As histórias da família significam muito para ela, assim como seu relacionamento com seu avô paterno, que morou em uma casa atrás da casa dela até seu falecimento quando ela estava no início da adolescência.11 Ela editou uma biografia inovadora de sua mãe, que incluiu os próprios escritos de Virginia com lembranças de uma grande variedade de fontes.12 A irmã Pearce mora na casa em que seu marido foi criado e ela escreveu uma história inédita das pessoas que viveram naquela casa.13

Ela também gosta de ensinar e é uma oradora conhecida. Ela aprendeu com seu pai a experimentar novas abordagens e seguir em frente quando uma lição ou um discurso não funcionar. Ela diz que todos têm momentos em que o que eles tentam não funciona embora às vezes, mais tarde, ficamos sabendo que nossos esforços foram úteis para uma pessoa na última fileira.14 Ela vê a oração como algo fundamental no processo de fazer um bom trabalho e se sentir bem sobre o trabalho de alguém: “Há uma escritura nas Palavras de Mórmon”, diz ela. “Ele está falando sobre escrever nas placas e ele diz que não sabe por que está fazendo aquilo. Então, há uma frase sobre como ele acredita que Deus atua por meio dele para fazer Sua vontade.15 Acho que é isso que acontece quando você ora o tempo todo. Você não precisa entrar em pânico — estou fazendo a escolha certa ou a escolha errada? Você pode confiar que Ele atua por meio de você e você faz o que Ele quer que faça.”16 Virginia Pearce deu o seguinte discurso sobre oração como oradora principal da conferência das mulheres de 2011 da Universidade Brigham Young.

Sinto-me muito feliz por estar com vocês, minhas queridas irmãs da Sociedade de Socorro. Creio que conheço um pouco os preparativos que vocês fizeram a fim de deixar a família, o emprego e outras tarefas para trás. Acontece que tenho cinco filhas aqui esta manhã e, por isso, tenho visto bem de perto o que foi preciso providenciar para deixarem sua vida, e entre elas há um total de 22 crianças, e imaginar como foi esse dia — como hoje e amanhã essas crianças iriam se arranjar sem elas. E quando multiplico por todas vocês, fico impressionada. Acho que a invasão da Normandia não foi nada, brincadeira de criança em termos de coordenação e planejamento, comparada a isso.

Acho que também conheço algumas de suas expectativas e seus desejos para esse tempo que passaremos juntas. Amo vocês e tenho plena confiança de que haverá uma generosa manifestação do Espírito do Senhor hoje e amanhã.

Nosso tema foi tirado do capítulo 37 de Alma — um versículo que todas nós conhecemos tão bem, memorável em sua aliteração e contraditório em sua promessa. Alma, falando com seu filho Helamã sobre a importância de manter registro das escrituras, disse: “Ora, podes supor que isto seja tolice de minha parte; mas eis que te digo que é por meio de coisas pequenas e simples que as grandes são realizadas”.17

Isso não é reconfortante em nosso mundo, onde acontecimentos e expectativas imensas, extravagantes e exuberantes estão diante dos olhos continuamente? Tenho um pequeno aviso em meu computador em casa — não é bordado, ponto cruz ou emoldurado. É apenas um bilhete colado e diz:

REDUZA.

SIMPLIFIQUE.

DÊ UM TEMPO.

Ler essas palavras — às vezes, em voz alta — sempre me acalma.

Uma de nossas grandes antecessoras da Sociedade de Socorro, Emmeline B. Wells, disse isso com muito mais poesia:

A fé incita os fracos e lhes dá graça.

E assim, muitas vezes vemos o frágil superar

Aqueles que eram fortes no início da corrida.18

Com o tempo, nossa pequenez — nossa fragilidade — permite realmente que a graça de Deus trabalhe em nós e triunfe sobre aqueles que pareciam mais fortes e maiores no começo.

Minha mãe usava essa aliança de ouro simples em seu dedo. Ao envelhecer, com mãos afetadas pela artrite, muitas vezes ela usava a aliança em uma corrente em seu pescoço — essa corrente, na verdade. Nós duas fomos almoçar em uma tarde alguns anos antes de sua morte.19 Não estávamos conversando sobre nada importante quando ela parou e perguntou se eu conhecia a história da aliança de ouro. “É ouro 18 quilates, você sabe, ela tem mais de cem anos e quero ter certeza que você conhece sua história.” E, então, ela me contou novamente sobre o anel de minha bisavó.

Martha Elizabeth Evans tinha 17 anos quando conheceu George Paxman. Ele era novo na cidade — magro, forte, bonito e com olhos azuis profundos. Ela era uma jovem pequena com menos de 1,60 metro de altura, de pele lisa e abundantes cabelos finos, incrivelmente macios ao toque.

Eles se apaixonaram e dois anos mais tarde, no outono de 1885, quando fizeram promessas eternas um ao outro, ele colocou essa aliança de ouro no seu quarto dedo da mão esquerda.

O jovem casal esperançoso se mudou para uma casa de tijolos de dois cômodos com um telhado de barro enquanto as habilidades de George como carpinteiro desempenhavam sua parte na construção de um majestoso templo de calcário branco, elevando-se em uma colina acima da pequena vila de tijolos, em Manti, Utah. O jovem marido trabalhava oito horas por dia e recebia um vale equivalente a quatro dólares por semana em mercadorias do armazenam local e produtos do escritório do dízimo. Era uma maneira agradável de começar a vida de casados.

Uma noite de junho, em 1887, um mês antes de sua primeira filha completar um ano de idade, George chegou em casa depois de trabalhar no templo, onde ajudou a colocar as portas grandes do lado leste. Ele sentia dores terríveis. Assustada, Martha o colocou em um carroção e fez a extenuante viagem pelas montanhas até um hospital, onde ele faleceu três dias depois de uma hérnia estrangulada. Oito meses depois, Martha deu à luz sua segunda menina — minha avó — a quem deu o nome de Georgetta, em homenagem a seu amado George.

Uma viúva de 22 anos com duas filhinhas, sua fé em Deus e uma aliança de ouro no dedo, Martha enfrentou o futuro.

Mas agora vem a história que minha mãe queria ter certeza de que eu saberia. Certo dia, vários anos após a morte de George, Martha foi convidada por uma vizinha a reabastecer o colchão com palha nova. Nas palavras de Martha: “Assim que terminei de encher o colchão, olhei para minha mão e a minha aliança não estava mais. Posso ter chorado. Quando cheguei em casa, espalhei lençóis no chão e vasculhei a palha, mas o anel não estava lá. Decidi voltar [para a vizinha] de qualquer maneira e olhar ao redor da palha novamente. Orei para que pudesse encontrá-la”.20 Bem, a vizinha a ajudou a procurar, mas pareceu não adiantar nada. E assim que ela desistiu, ela chutou a palha com a ponta do sapato e o anel apareceu.

Martha contou essa história para seus filhos e suas filhas diversas vezes. A história de sua avó convenceu minha mãe de que as orações são ouvidas e que são respondidas. Essa aliança é um elo amoroso que honra o casamento e a lealdade eterna, mas para mim é um lembrete sobre o poder da oração.

Acredito na oração e me senti inspirada a falar hoje sobre essa prática pequena e simples pela qual grandes coisas são realizadas.

A oração é certamente o ritual religioso mais básico de todas as religiões. Todos os que creem em Deus O procuram em alguma forma de oração. É o mais antigo comportamento religioso que ensinamos aos nossos filhos pequenos. E, ainda assim, o processo da oração não pode ser entendido pela mente humana. Nenhum de nós entende como ela funciona embora tivéssemos uma vida inteira de experiência com ela.

Mas sabemos algumas coisas.

A primeira coisa que sabemos é que a oração tem como base o princípio da fé. Temos fé na doutrina de que somos filhos de um Pai Celestial, que nos separamos Dele durante esse período da mortalidade e que nossa meta é nos tornar semelhantes a Ele para mais uma vez voltarmos à Sua presença. Pensem nisso. Quando entendermos que Deus é nosso Pai e somos seus filhos, então a oração se torna natural e instintiva.21

Também sabemos que a oração é uma expressão do arbítrio. A oração sincera e fervorosa é uma escolha profundamente pessoal. Ninguém pode nos forçar a nos comunicarmos de todo o nosso coração. Ninguém pode nos obrigar a sentir amor por nosso Criador. Gosto muito da maneira como Isaías expressa esse desejo sincero de orar: “Na minha alma te desejei de noite, e com o meu espírito, que está dentro de mim, cedo te buscarei”.22

E assim, nossa escolha pequena e simples de orar permite que Deus liberte os poderes do céu em nosso favor. O Espírito Santo é livre para encher nossa mente e nosso coração, levando-nos na direção Dele e de nosso destino eterno. Não consigo pensar em nada melhor.

Sabemos também que a oração advém da humildade: Quando oramos reconhecemos que não podemos viver esta vida sozinhos, que dependemos do Pai e do Filho para nossa própria respiração. Agora, conheço algumas pessoas muito inteligentes. E conheço algumas pessoas talentosas e altamente qualificadas. Conheço algumas pessoas muito, muito ricas. Mas nunca conheci uma pessoa que tenha recursos suficientes para atender a todas as exigências da vida por conta própria. Precisamos de Deus. E, se nossas dificuldades podem nos levar a Deus, podemos agradecer a elas.

Essa pintura, de Carl Bloch, é chamada Cristo Consolador. Ela, com outras peças magníficas, está em exposição esta semana no Museu de Arte da BYU.23 Espero que, caso ainda não tenham visto essa exibição, vocês tenham a oportunidade de visitá-la durante os próximos dois dias.

Gosto de olhar para cada pessoa que busca o consolo de Cristo. Você pode ver os problemas da mortalidade em seu rosto. Estes são os que sabem que não podem fazer isso sozinhos. Bloch descreveu a alegria que podemos ter em meio à adversidade quando sabemos que isso nos leva a Cristo. Ele disse: “Quando as coisas estão piores, elas então se tornam as melhores. Então, acho que tenho muito a agradecer a Deus, e seria tolice exigir que alguém fosse feliz nesta vida. Com isso quero dizer sempre reluzente, sempre vendo o ideal sob o céu claro.24

“Não, o céu cinzento e a chuva forte fazem parte disso — uma pessoa deve ser lavada completamente antes de ir até Deus.”25

Gosto do simbolismo desse artista — ser lavado cuidadosamente pelo céu cinzento e as chuvas da vida enquanto nos ajoelharmos humildemente, em nossa fragilidade, pedindo a ajuda de Deus. “Sê humilde; e o Senhor teu Deus te conduzirá pela mão, e te dará resposta às tuas orações.”26

Tenho uma boa amiga a quem chamarei de “Jane”. Ela é um membro de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias que guarda os convênios. Sua vida tem muitas facetas: serviço na Igreja, trabalho de tempo integral, devoção à família, boa vizinhança, chamados na Igreja. Ela é inteligente, divertida e fiel. E, como todos nós na mortalidade, ela enfrenta desafios desgastantes — o maior de todos tem a ver com sua família. Enquanto seus filhos cresciam, alguns deles começaram a escolher caminhos diferentes. Ela os viu fazer escolhas que sabia que levariam à infelicidade e ela ficou muito triste — até mesmo desesperada. Ela pensou em suas decisões do passado como mãe e ficou cheia de culpa. Talvez tenha sido tudo culpa dela. Ela se sentiu ansiosa e amedrontada, imaginando o que ela poderia dizer e como e quando ela poderia dizer para que o filho errante visse a luz e voltasse. Ela se preocupava com cada interação com o filho — a sua própria, bem como a do seu marido, dos membros da ala, dos vizinhos — de todos! Digo que ela se sentia atormentada e fora de controle para ser exata.

E ela orou. Ela orou fervorosamente. Seu coração estava “voltado continuamente para ele em oração pelo [seu próprio] bem-estar, assim como pelo bem-estar [dos filhos]”.27

Certa tarde, na reunião de jejum, ela ouviu uma amiga que ela admirava descrever como ela tinha sido atormentada com um problema específico com um de seus filhos e decidiu ir ao templo uma vez por semana. A amiga então testificou com gratidão que, depois de muitos meses, suas orações foram respondidas, e o problema havia sido milagrosamente resolvido.

Jane ficou emocionada, voltou para casa, continuou a orar e se sentiu inclinada a fazer uma meta anual particularmente ambiciosa de frequência ao templo. Ela tinha certeza de que o Senhor honraria um sacrifício pessoal tão significativo.

Agora vou interromper nossa história aqui para apontar algumas coisas sobre as quais conversamos. Jane teve fé. Ela entendeu seu relacionamento com o Pai Celestial. Ela demonstrou humildade, entendeu que precisava de ajuda divina. E ela fez uma escolha individual e pessoal de orar. Ao continuar sua conversa pessoal com o Senhor, guardar seus convênios e ir à igreja, o Espírito Santo enviou as palavras do testemunho de sua amiga profundamente em seu coração.

Ao continuar a orar, Jane agiu de acordo com os sussurros que ela recebeu para ir ao templo com mais frequência.

Agora vou continuar com a história dela. Citando Jane: “Depois de dez anos frequentando cada vez mais o templo e da oração constante, sinto dizer que as escolhas de meus filhos não mudaram”.

E então houve uma pausa. (…)

“Mas mudei. Sou uma mulher diferente.”

“Como?”, perguntei-lhe.

“Tenho um coração mais suave. Estou cheia de compaixão. Realmente posso fazer mais e estou livre do medo, da ansiedade, da culpa, do remorso e do pavor. Abandonei meus limites de tempo e posso esperar no Senhor. E sinto manifestações frequentes do poder do Senhor. Ele envia ternas misericórdias, mensagens pequenas que reconhecem Seu amor por mim e meus filhos. Minhas expectativas mudaram. Em vez de esperar que meus filhos mudem, espero essas ternas misericórdias frequentes e estou cheia de gratidão por elas.” Ela continua: “Estou mais aberta e sensível ao Espírito e não me preocupo mais tanto com o que vou dizer e como vou dizer. Se me sentir inclinada a falar, não hesito, e as palavras parecem terem sido dadas a mim.

Todos os meus relacionamentos estão melhores, principalmente com meu marido e meus filhos. Posso fazer e dizer coisas que jamais poderia fazer ou dizer antes. Meus filhos respeitam minha dedicação ao templo. Eles são bondosos e me apoiam, assim como meu marido. Nós dois ficamos bem unidos devido a essas dificuldades, em vez de culpar e nos afastar. Nosso casamento nunca foi tão feliz. Minha capacidade de apreciar e aproveitar as coisas boas da vida aumentou. Eu estou simplesmente mais presente.

Minhas orações mudaram. Expresso mais amor e sou mais grata. Oro para estar à altura das tarefas diante de mim. Oro para aumentar minha caridade, paciência e fé. Sinto-me grata pelas provações que me trouxeram até aqui. Eu não mudaria nada do que aconteceu. O Senhor trabalha de maneira maravilhosa e realmente me sinto tomada pela paz que excede todo o entendimento”.28

A oração e a frequência ao templo não são atividades espetaculares, sensacionais ou únicas. Mas, se forem repetidas muitas e muitas vezes, ano após ano, elas são coisas pequenas e simples pelas quais grandes coisas acontecem. De fato, esse processo gradual de mudança parece ser a maneira pela qual o Senhor sempre age conosco. Sim, temos histórias das escrituras de mudanças aparentemente súbitas e completas, mas com mais frequência nos tornamos “novas criaturas”29 — como os da cidade de Enoque — “com o correr do tempo”.30

Acho a palavra consagração intrigante. Significa “tornar santo e sagrado (…)[,] santificar”. A consagração significa que dedicamos nossos pensamentos, nossas ações, nossa própria vida a Deus. Em troca, Ele pode consagrar nossas experiências — santificá-las, torná-las santas — não importa quão difíceis, insensatas ou destrutivas sejam elas.

Está escrito: “Em tudo dai graças; esperando pacientemente no Senhor, pois vossas orações chegaram aos ouvidos do Senhor (…). Ele vos faz essa promessa, com um convênio imutável de que serão cumpridas; e todas as coisas que vos tiverem afligido reverterão para o vosso bem e para a glória do meu nome, diz o Senhor”.31

Todas as coisas serão para nosso bem? Como isso acontece?! Não sei, mas acredito nas palavras de Néfi: “Deveis orar sempre e não desfalecer; e nada deveis fazer para o Senhor sem antes orar ao Pai, em nome de Cristo, para que ele consagre para vós a vossa ação, a fim de que a vossa ação seja para o bem-estar de vossa alma”.32

Quando ouvi Jane, senti como o Senhor havia consagrado suas dificuldades com os filhos para o bem-estar eterno de sua alma. Não foi impressionante ouvi-la descrever as mudanças? Pensei estar vendo diante de meus olhos alguém que havia orado com toda a energia de seu coração e que estava repleta de pura caridade — um dom concedido liberalmente a todos os verdadeiros seguidores de Cristo.33

Como isso também não poderia ser útil para Seus filhos?

Néfi fala a respeito de suas orações para seu povo. Pensem em Jane e suas orações por seus filhos. Pensem em si mesmas e suas orações por seus entes queridos. “[Porque] eis que muitos há que endurecem o coração contra o Santo Espírito, de modo que neles não encontra espaço; (…) oro por eles continuamente durante o dia e meus olhos molham meu travesseiro durante a noite por causa deles; e clamo a meu Deus com fé e sei que ele ouvirá o meu clamor. E sei que o Senhor Deus consagrará minhas orações para o bem de meu povo.”34

Não sei como Ele fará isso. O arbítrio deve ser exercido, mas minha fé me diz que um dia, quando esses entes queridos escolherem vir a Cristo e sua Expiação começar a operar na vida deles, nossas orações farão parte de um milagre que não só pode mudar o futuro deles, mas pode consagrar suas experiências passadas para o bem-estar da alma deles.35 Talvez, em vez de criar sofrimento, amargura e desespero, seus pecados passados se tornem experiências que aumentem sua compaixão para com os outros e sua gratidão por seu Salvador. Não é uma transformação incrível, possível apenas por intermédio do poder infinito do Salvador?

Como Jane, geralmente acrescentamos o jejum, a adoração no templo e as bênçãos do sacerdócio às nossas orações quando pedimos a ajuda do Senhor em momentos de necessidades especiais. Também não sei como isso funciona, mas, como acrescentei, já senti pessoalmente o poder da consagração intensificada e senti meu coração se ampliar para receber a vontade do Senhor. E um dos grandes resultados de uma oração eficaz é que por meio dela minha vontade e a vontade do Pai se tornam uma e a mesma.

Também sei que, como as pessoas uniram suas orações, seu jejum e sua adoração no templo em meu favor e dos meus, de fato senti mais a presença do Senhor. E por que não seria assim? A fé acompanhada de pura caridade — o amor que expressamos quando oramos, jejuamos e acrescentamos nomes à lista do templo — faz a diferença. Isso nos une umas às outras. Isso nos une ao Senhor.

A irmã Julie Beck nos incentiva como irmãs da Sociedade de Socorro a orar.36 Ela disse: “Pensem em como seria nossa força combinada se toda irmã orasse sinceramente a cada manhã e noite ou, melhor ainda, se orasse incessantemente, como o Senhor ordenou”.37

Orar umas pelas outras traz força. Ela entrelaça nosso coração em unidade e amor.38 E esse puro amor — a caridade — abre nosso coração para receber as bênçãos que o Senhor deseja nos dar, mas elas estão condicionadas ao nosso pedido.39

Às vezes, as respostas às orações são bastante claras, simples e diretas. Mas muitas vezes a oração se torna uma conversa longa e pessoal. Continuamos a orar e trabalhar, e descobrimos que de maneira inexplicável os problemas são gradualmente resolvidos ou modificados. Às vezes, até mesmo nossos desejos justos e sinceros são modificados. Aos poucos, nossos desejos se tornam Seus desejos. Nossa súplica se torna parte da experiência.

O élder Neal A. Maxwell ensinou que o Senhor opera em nós por meio do próprio processo da oração: “Algumas pessoas têm dificuldades com a realidade de que as orações são petições embora Deus conheça tudo e ame a todos de qualquer forma. Verdade, não estamos informando a Deus, mas estamos informando a nós mesmas mediante nosso trabalho reverente acerca de nossas reais preocupações, nossas verdadeiras prioridades e ao ouvirmos o Espírito. Por simplesmente dizermos ritualisticamente: ‘Seja feita a tua vontade’ não seria uma verdadeira oração de solicitação. Isso não implicaria um trabalho genuíno por meio de nossos sentimentos. Não haveria nenhuma experiência na angústia, na escolha nem na submissão”.40

E assim, o poder da oração é mais do que dizer no final da oração: “Seja feita a tua vontade”. Na verdade, é descobrir que a vontade Dele se tornou a nossa vontade. Muitas vezes a mudança em nossa parte da conversa é quase imperceptível. Ela é pequena e simples e ocorre ao longo do tempo. É difícil falar porque por sua própria natureza ela é pessoal e única — algo que está acontecendo entre o Pai e a pessoa. E isso é imprevisível. Ele pode me responder tão imediatamente e claramente de uma vez e gradualmente de outra que posso achar que nada está acontecendo. Mas, se eu escolher seguir acreditando e demonstrar essa escolha continuando a orar, tenho certeza de que Sua vontade vai se manifestar e, no final, parecerá que está certa.

Às vezes, podemos sentir que simplesmente estamos por conta própria para fazer o melhor que pudermos. Creio que, se tivéssemos que esperar para agir toda vez que oramos até reconhecer uma resposta clara, a maioria de nós estaria esperando e perdendo boa parte de nossa vida.

O élder Richard G. Scott pergunta: “O que você faz, depois de se preparar cuidadosamente, orar com fervor, esperar durante um período de tempo razoável por uma resposta e, ainda assim, não a receber?” Ele continua: “Talvez deva expressar gratidão quando isso ocorre, porque é uma prova da confiança do Pai em você. Quando você vive dignamente, quando suas escolhas são consistentes com os ensinamentos do Salvador, e uma ação se torna necessária, proceda com confiança. (…) Deus não deixará que você vá muito longe, sem uma impressão de advertência, se tiver tomado a decisão errada”.41

O presidente Gordon B. Hinckley tinha um lema pessoal muito prático. Ele ensinou em muitas ocasiões: “Tudo vai dar certo. Se você continuar tentando, orando e trabalhando, as coisas darão certo. Sempre dão certo”.42

E então precisamos orar e depois seguir em frente, confiando que, se for uma direção que não será para nosso bem, o Senhor nos ajudará a saber. Caso contrário, podemos confiar que o Senhor está obrigado a Se responsabilizar e honrar as decisões que tomamos usando nosso próprio discernimento.43

Voltando para minha bisavó Martha Elizabeth. Ela orou pela aliança. Ela olhou para baixo e a encontrou. Ela reconheceu a resposta. Penso nas outras orações que Martha Elizabeth deve ter oferecido — muito mais fundamentais para seu futuro do que aquela sobre a aliança. Penso nas orações desesperadas que ela deve ter oferecido enquanto levava o marido na carruagem em busca de um médico. Aquela oração não foi respondida como Martha esperava. De alguma forma, não era parte de Seu plano que Martha e George tivessem uma vida inteira juntos.

Mas, no dia em que Martha perdeu a aliança, Deus concedeu o desejo de sua oração. No entanto, creio que encontrar a aliança foi um pequeno milagre quando comparado à verdadeira mensagem. Acho que a verdadeira mensagem para Martha foi que Deus estava ciente de sua tristeza e seu amor por seu amado que há muito havia partido e quem a aliança representava. Ele estava dizendo que a conhecia, amava-a e que Ele estava ali para ajudá-la. E, surpreendentemente, essa certeza de Sua presença e Seu amor é muito maior do que qualquer outro possível resultado.

Minha amiga Jane falou sobre receber esses tipos de mensagens do Pai Celestial, essas manifestações frequentes do poder do Senhor, as ternas misericórdias, as pequenas mensagens que reconheceram Seu amor por ela e por seus filhos. E ela começou a esperar as ternas misericórdias — com frequência — e a se sentir repleta de gratidão por elas.

Na vida de Martha, na vida de Jane, certamente na de vocês e sem dúvida na minha, Deus nem sempre concedeu as coisas que queríamos nem mesmo as que pedimos desesperadamente. Mas, com frequência, Ele coloca Sua assinatura divina44 nos pequenos acontecimentos do dia. E sua presença — a qualidade indescritivelmente consoladora de Seu grande amor — mais do que recompensa por todas as tragédias e decepções. Com essas ternas misericórdias, Ele diz: “Estou aqui. Eu me importo com você. Você está conduzindo sua vida com Minha aprovação. Todas as coisas contribuirão para seu bem. Confie em Mim”.

Assim, o milagre da oração não reside na capacidade de manipular acontecimentos e situações, mas no milagre da criação de um relacionamento com Deus.45

Pensem nisso com cuidado, sim? O que significa para você ter a certeza de que o Senhor está com você? Tudo.

Em outubro de 2008, meu marido e eu estávamos atarefados nos preparando para atender a um chamado missionário. Tinha sido um ano muito movimentado para nós. Meu pai tinha falecido em janeiro, tornando necessária a divisão e distribuição de todas as suas “coisas”. Oh, deixamos muitas coisas para trás quando cruzamos para o outro lado, não é mesmo? Quando estávamos terminando de fazer isso, meu marido se aposentou de seu consultório médico e estávamos carregando e descarregando mais caixas de “coisas” em um porão lotado. Houve muitos acontecimentos familiares, algumas viagens e a preparação de nossos papéis para a missão. E agora, lá estávamos nós com um chamado para a missão, fazendo os arranjos para alugar nossa casa — sim, mudando mais coisas — quando tudo parou.

Em resposta a alguns sintomas que estavam se tornando cada vez mais problemáticos, meu marido fez alguns exames e foi diagnosticado com uma doença fatal e incurável. Ele viveu pouco menos de um ano a partir dia do diagnóstico.46

Foi um ano único para nós — de vida pacata e lenta — sem movimento. O presidente Dieter F. Uchtdorf explicou: “Nas épocas em que as condições não são ideais, as árvores diminuem seu crescimento e concentram sua energia nos elementos básicos necessários à sobrevivência”. Ele continuou: “É um bom conselho desacelerar um pouco, firmar o curso e concentrar-se nas coisas essenciais ao se enfrentar condições adversas”.47

Foi exatamente isso que fizemos.

Conversamos, choramos, lemos e relemos versículos das escrituras, lemos atentamente discursos das autoridades gerais, passamos momentos agradáveis com familiares e amigos. Fomos dormir todas as noites e nos levantamos todas as manhãs. Acima de tudo, porém, oramos. Oramos juntos, oramos separadamente, oramos em voz alta, oramos em silêncio. Oramos com nossos entes queridos. Jejuamos e oramos. Fomos ao templo e oramos. Oramos constantemente. Suplicamos ao Pai Celestial em nome de Seu Filho, Jesus Cristo.

Conto isso a vocês sob a forma de testemunho pessoal. A oração funciona. Ela realmente invoca os poderes do céu. Ela concilia nossa vontade com a vontade do Pai. Ela consagra até nossas experiências mais adversas para o bem-estar de nossa alma. Por meio da oração combinada, sentimos amor, união e poder que são impossíveis de descrever. Podemos não receber o que desejamos, mas acabamos gratas de todo o nosso coração pelo que o Senhor nos dá.

E, ao longo do caminho, experimentamos as ternas misericórdias repetidas vezes — essas mensagens inconfundíveis Dele: “Estou aqui. Amo você. Você está conduzindo sua vida com Minha aprovação. Todas as coisas contribuirão para seu bem. Confie em Mim”.

Mesmo que não vejamos, minuto a minuto, que estamos avançando e progredindo, creio que seremos capazes de um dia olhar para trás em nossa vida e ver que estávamos, na verdade, fazendo exatamente o que precisávamos fazer no momento certo e no lugar certo. Podemos confiar que o Senhor vai trabalhar em nós e por meio de nós. Mórmon expressou isso lindamente: “E agora, eu não sei todas as coisas, mas o Senhor sabe todas as coisas que hão de acontecer; portanto, ele atua em mim, para que eu faça segundo a sua vontade”.48

Assim como Mórmon, não sei todas as coisas, mas sei que o Senhor trabalha em pessoas fiéis e que oram para fazer de acordo com Sua vontade. Sei que é por meio de coisas pequenas e simples que as grandes são realizadas.49

Disso presto testemunho, em nome de Jesus Cristo. Amém.

Notas de rodapé

  1. [1]Gordon B. Hinckley foi membro do Quórum dos Doze Apóstolos ou da Primeira Presidência de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias durante a maior parte da vida de Virginia. Hinckley se tornou assistente dos doze em 1958, membro do Quórum dos Doze Apóstolos em 1961, membro da Primeira Presidência em 1981 e presidente da Igreja em 1995 (“LDS President Gordon B. Hinckley Dies at Age 97” [Presidente da Igreja SUD, Gordon B. Hinckley, morre aos 97 anos], Deseret News, 28 de janeiro de 2008).

  2. [2]Virginia H. Pearce, entrevista por Kate Holbrook, 21 de agosto de 2015, p. 6, Biblioteca de História da Igreja.

  3. [3]Pearce, entrevista por Holbrook, p. 7.

  4. [4]“James Richard McGhie Pearce”, Deseret News, 27 de outubro de 2009; Pearce, entrevista por Holbrook, p. 1.

  5. [5]Pearce, entrevista por Holbrook, pp. 11–12.

  6. [6]Pearce, entrevista por Holbrook, pp. 1–2.

  7. [7]Pearce, entrevista por Holbrook, p. 2; “New Young Women Presidency Is Called” [Nova presidência das Moças é chamada], Church News, 11 de abril de 1992.

  8. [8]“New Young Women Presidency Is Called.”

  9. [9]Pearce, entrevista por Holbrook, p. 2.

  10. [10]Virginia H. Pearce, entrevista por Susan W. Tanner, 27 de outubro de 2003, p. 8, CHL.

  11. [11]Bryant Stringham Hinckley trabalhou como professor na Academia Brigham Young, como diretor da LDS Business College e como superintendente do ginásio de esportes Deseret de propriedade da Igreja. Sheri L. Dew, Go Forward with Faith: The Biography of Gordon B. Hinckley [Adiante com Fé: Uma Biografia de Gordon B. Hinckley], 1996, pp. 18, 29.

  12. [12]Virginia H. Pearce, ed., Glimpses into the Life and Heart of Marjorie Pay Hinckley [Vislumbres da Vida e do Coração de Marjorie Pay Hinckley], Salt Lake City: Deseret Book, 1999. Virginia Pearce escreveu vários livros para crianças e adultos.

  13. [13]Gerry Avant, “Leader Hungers, Thirsts for Knowledge” [Líder faminto e sedento por conhecimento], Church News, 25 de abril de 1992; Pearce, entrevista por Holbrook, p. 3.

  14. [14]Pearce, entrevista por Holbrook, p. 8.

  15. [15]Ver Palavras de Mórmon 1:7.

  16. [16]Pearce, entrevista por Holbrook, p. 6.

  17. [17]Citação no original: “Alma 37:6”.

  18. [18]Citação no original: “Wells, Emmeline B., Musings and Memories [Reflexões e memórias], SLC, UT: Deseret News, 1915, p. 221”. Emmeline B. Wells editou o jornal quinzenal Woman’s Exponent de 1877 até o final de sua publicação em 1914. Ela foi presidente geral da Sociedade de Socorro de 1910 a 1921 (Carol Cornwall Madsen, An Advocate for Women: The Public Life of Emmeline B. Wells, 1870–1920 [Uma Defensora das Mulheres: A Vida Pública de Emmeline B. Wells, 1870–1920], Provo, UT: Universidade Brigham Young; Salt Lake City: Deseret Book, 2006).

  19. [19]Marjorie Pay Hinckley faleceu em 2004 (“Marjorie Hinckley Dies” [Morre Marjorie Hinckley], Deseret News, 7 de abril de 2004).

  20. [20]Citação no original: “História pessoal em posse do autor”.

  21. [21]Citação no original: “Bible Dictionary, na Bíblia SUD em inglês, pp. 752–753”.

  22. [22]Citação no original: “Isaías 26:9”.

  23. [23]Citação no original: “Christus Consolator [Cristo Consolador], The Master’s Hand, the Art of Carl Heinrich Bloch [A Mão do Mestre, a Arte de Carl Heinrich Bloch], figura 61, p. 114, de Dawn C. Pheysey e Richard Neitzel Holzapfel, Museu de Arte da Universidade Brigham Young, Provo, UT, Deseret Book Company, Salt Lake City, UT, 2010”. Carl Bloch foi um pintor dinamarquês que frequentemente abordou temas religiosos em suas pinturas. O Museu de Arte da Universidade Brigham Young exibiu suas obras de novembro de 2010 a maio de 2011, e cópias de seus quadros são publicadas com frequência em materiais da Igreja (Amy McDonald, “Mormon-Owned BYU Acquires Long-Lost ‘Mysterious’ Bloch Painting of Jesus” [BYU, de propriedade mórmon, adquire a pintura “misteriosa” de Jesus de Bloch há muito perdida], Salt Lake Tribune, 4 de junho de 2015; Jason Swensen, “‘The Master’s Hand’ Has Attracted More than 230,059 Visitors to BYU Exhibit” [A Mão do Mestre atraiu mais de 23 mil visitantes à exposição da BYU], Church News, 22 de abril de 2011).

  24. [24]Citação no original: “Ibid., p. 33”. Neste ponto da apresentação, Virginia Pearce mostrou uma imagem de uma pintura de Carl Bloch intitulada Landscape from Hellebaek [Paisagem de Hellebaek].

  25. [25]Citação no original: “Ibid., p. 55”.

  26. [26]Citação no original: “D&C 112:10”.

  27. [27]Citação no original: “Alma 34:27”.

  28. [28]Citação no original: “Filipenses 4:7”.

  29. [29]Citação no original: “Mosias 27:26”.

  30. [30]Citação no original: “Moisés 7:21”.

  31. [31]Citação no original: “D&C 98:1–3”.

  32. [32]Citação no original: “2 Néfi 32:9”.

  33. [33]Citação no original: “Morôni 7:48”.

  34. [34]Citação no original: “2 Néfi 33:2–4”.

  35. [35]Ver 2 Néfi 32:9.

  36. [36]Julie B. Beck foi presidente geral da Sociedade de Socorro de 2007 a 2012.

  37. [37]Citação no original: “Beck, Julie B., ‘O que as mulheres da Igreja fazem de melhor: Permanecem firmes e inamovíveis’, A Liahona, novembro de 2007, p. 110”.

  38. [38]Ver Mosias 18:21.

  39. [39]Citação no original: “Bible Dictionary, na Bíblia SUD em inglês, p. 753”.

  40. [40]Citação no original: “Maxwell, Neal A., That Ye May Believe [Que Acrediteis], Bookcraft, 1992, p. 178”. Neal A. Maxwell serviu no Quórum dos Doze Apóstolos de 1981 a 2004.

  41. [41]Citação no original: “Scott, Richard G., ‘O dom celestial da oração’, A Liahona, maio de 2007, p. 10”. Richard G. Scott serviu no Quórum dos Doze Apóstolos de 1988 a 2015.

  42. [42]Citação no original: “Dew, Sheri, Go Forward With Faith [Adiante com Fé], Deseret Book, 1996, p. 423”. Virginia Pearce foi a terceira de cinco filhos de Gordon B. Hinckley (“LDS President Gordon B. Hinckley Dies” [Morre Gordon B. Hinckley, presidente SUD]).

  43. [43]Citação no original: “Journal of Discourses, vol. 3, p. 205. Brigham Young ensinou: ‘Se eu pedir ao Senhor que me dê sabedoria concernente a qualquer exigência de minha vida, ao caminho que devo seguir ou com relação a meus amigos, minha família, meus filhos ou aqueles a quem presido e não obtiver Dele uma resposta, e então eu fizer o melhor que puder segundo meu entendimento, Ele estará obrigado a aceitar e honrar aquilo que fiz, e Ele assim o fará em todos os sentidos’”.

  44. [44]Citação no original: “Lund, Gerald, Divine Signatures: The Confirming Hand of God [Assinaturas Divinas: A Mão Confirmadora de Deus], Deseret Book, 2010”.

  45. [45]Citação no original: “Bible Dictionary, na Bíblia SUD em inglês, pp. 752–753”.

  46. [46]James R. M. Pearce praticou medicina interna por 34 anos. Ele morreu de esclerose lateral amiotrófica (ELA), geralmente conhecida como doença de Lou Gehrig (“James Richard McGhie Pearce”).

  47. [47]Citação no original: “Uchtdorf, Dieter F., ‘As coisas que mais importam’, A Liahona, novembro de 2010, p. 19”. Dieter F. Uchtdorf serviu no Quórum dos Doze Apóstolos de 2004 a 2008, quando foi chamado para servir na Primeira Presidência da Igreja.

  48. [48]Citação no original: “Palavras de Mórmon 1:7”.

  49. [49]Ver Alma 37:6.