The Church Historian's Press The Church Historian's Press

7

O convênio da Sociedade de Socorro da Ala 13

Sociedade de Socorro da Ala 13, Salt Lake City

Residências particulares, Salt Lake City, Território de Utah

14 de junho de 1854 e 6 de maio de 1857


Matilda Matey Dudley Ferguson Paschall Busby (1819–1895) há muito tempo conhecia os índios americanos. A história da família relata que os índios atacaram a família Dudley quando Matilda era ainda um bebê. O pai, Lawson, foi escalpelado e morto e ela e a mãe foram capturadas e, posteriormente, conseguiram escapar, talvez para Ohio, onde Matilda se casou com o primeiro marido, Stephen Ferguson.1 Matilda Dudley foi batizada em novembro de 1849 e, em 1851, imigrou para o Vale do Lago Salgado com o filho, Henry Ferguson, vivendo nos limites da Ala 13.2

Em 1847, quando os santos dos últimos dias chegaram ao Vale do Lago Salgado, começaram a se relacionar com os índios americanos locais, tendo que negociar conflitos relativos às terras, à água e a outros recursos naturais. Dentro de pouco tempo e por uma década, os utes e outros povos nativos sofreram em decorrência de doenças devastadoras transmitidas pelos colonos mórmons.3 Em 24 de janeiro de 1854, muitas mulheres de Salt Lake City se reuniram para avaliar “a importância de organizar uma sociedade de mulheres com o objetivo de fazer roupas para as mulheres e crianças índias”.4 Na semana seguinte, elas se reuniram na casa de Matilda Dudley e a elegeram presidente e tesoureira da nova sociedade e decidiram que todos os membros deveriam pagar 25 centavos como taxa de inscrição e, também, doar horas de trabalho “para o benefício dos índios que estivessem mais necessitados ou merecendo nossa compaixão e assistência”.5 Essa foi uma das muitas organizações estabelecidas em todo o território.6

Alguns meses depois, Brigham Young enviou um chamado formal para as mulheres em Salt Lake City para unificarem seus esforços de costurar roupas para os povos nativos e instruiu os bispos que organizassem Sociedades de Socorro em cada ala.7 A Sociedade de Socorro índia de Dudley foi dissolvida e ela foi uma participante importante na organização de Sociedade de Socorro da Ala 13 Salt Lake City, em 7 de junho de 1854.8 Na semana seguinte, ela apresentou um “convênio” para os membros da Sociedade de Socorro, que era similar ao conselho dado por Emma Smith, na Sociedade de Socorro de Nauvoo, para que as irmãs se unissem e não falassem mal umas das outras ou dos líderes da Igreja.9 As atas das reuniões da Sociedade de Socorro da Ala 13 registram as mulheres fazendo doações, costurando roupas, acolchoados, tapetes e tranças de chapéu de palha, confeccionadas dentro “do padrão típico, para serem úteis e encantadores”. A organização não se reunia durante o inverno, quando estava muito frio para trabalharem juntas.10

Três anos mais tarde, em 6 de maio de 1857, Matilda Dudley, que havia se casado novamente com Joseph Busby e mudara o sobrenome, renovou o convênio anterior, com as mesmas palavras. Esse convênio, que está reproduzido aqui, pode ter sido destinado aos novos membros que entraram depois de 1854, ou como uma confirmação do propósito da sociedade.11 Nas duas versões, tanto na de 1854 como na de 1857, o breve discurso de Matilda Dudley ilustra sua visão de organização para esse grupo local e sua ligação com a Sociedade de Socorro como um todo. A Sociedade de Socorro da Ala 13 foi descontinuada em 1857 por causa da possível chegada do exército federal que havia sido enviado pelo presidente James Buchanan em resposta às alegações de que os mórmons estavam se rebelando em Utah.12

[14 de junho de 1854]

M. Dudley propôs, com o apoio de A Cobb13 e aprovado por unanimidade, que o seguinte convênio seja feito por todos os que se tornarem membros dessa sociedade, ou seja, que não falarão mal umas das outras nem das autoridades da Igreja; mas vão se esforçar, de todas as maneiras que estão em seu poder, para cultivar um espírito de união, de humildade e de amor, e esse será o convênio que farão todos os que se tornarem membros dessa sociedade.

[6 de maio de 1857]

A irmã M. Busby14 propôs que o convênio feito no início da primeira organização da sociedade fosse renovado, que era: Que todas as que se tornarem membros dessa sociedade não devem falar mal entre si enquanto estiverem reunidas nem das autoridades da Igreja ou de qualquer outra pessoa, mas devem se esforçar de todas as maneiras para cultivar um sentimento de união, de humildade e de amor, e que este seja o convênio que todos farão quando se tornarem membros dessa sociedade.

Notas de rodapé

  1. [1]Ver Elsie Helm, Reminiscence [Reminiscências], datilografado, acessado em 1º de setembro de 2015, ancestry.com. Para detalhes sobre ataques, escalpelamento e capturas pelos índios na Pensilvânia e em Ohio, ver The History of Wyandot County, Ohio [A História do Condado de Wyandot, Ohio] (Chicago: Leggett, Conaway, 1884).

  2. [2]Endowment House, Sealings and Endowments of the Living [Casa de Investidura, Selamento e Investidura dos Vivos], vol. A, 1851–1854, Matilda Paschall, 14 de julho de 1852, p. 43, microfilme 183,393, Biblioteca de História da Família; “Matilda M. Dudley Ferguson Paschall”, Mormon Pioneer Overland Travel [Viagem por terra dos pioneiros mórmons], 1847–1868, acessado em 1º de setembro de 2015, history.LDS.org. Pouco se sabe sobre o primeiro e o segundo marido de Matilda — somente que o sobrenome do filho dela era Ferguson e que ela usou o nome Paschall antes de se casar com Joseph Busby, em 1856. Por ter viajado pelas planícies com o nome de Paschall, pode ser que ela tenha se divorciado de Ferguson e se casado com Paschall antes da viagem para Utah. Entretanto, não há registro de que o sr. Paschall tenha viajado com ela para Utah. Aparentemente, ela começou a usar novamente o nome de solteira Dudley depois de chegar no Vale do Lago Salgado. Ela é chamada de “M. Dudley” na ata de 14 de junho de 1854, da Sociedade de Socorro da Ala Salt Lake City 13, conforme apresentado aqui. A Ala 13 ficava entre as ruas Main Street com a 300 East e a South Temple com a 300 South (Andrew Jenson, Encyclopedic History of the Church of Jesus Christ of Latter-day Saints [Enciclopédia da História de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias], Salt Lake City: Deseret News, 1941, pp. 748–749).

  3. [3]Jared Farmer, On Zion’s Mount: Mormons, Indians, and the American Landscape [No Monte Sião: Mórmons, índios e a paisagem americana], Cambridge, MA: Harvard University Press, 2008, pp. 50–58, 80–88. No outono de 1853, Brigham Young organizou várias missões de proselitismo entre os índios, programadas para começar na primavera de 1854 (Richard L. Jensen, “Forgotten Relief Societies” [Sociedades de Socorro esquecidas], 1844–1867, Dialogue: A Journal of Mormon Thought [Diálogo: Um diário do pensamento mórmon], 16, nº 1, primavera de 1983, pp. 107–109).

  4. [4]Amanda Barnes Smith, Journal [Diário], 24 de janeiro de 1854, Biblioteca de História da Igreja; Jill Mulvay Derr, Carol Cornwall Madsen, Kate Holbrook e Matthew J. Grow, editores, The First Fifty Years of Relief Society: Key Documents in Latter-day Saint Women’s History [Os Primeiros 50 Anos da Sociedade de Socorro: Documentos importantes da história das mulheres santos dos últimos dias], Salt Lake City: Church Historian’s Press, 2016, pp. 188–190.

  5. [5]Amanda Barnes Smith, Journal [Diário], 9 de fevereiro de 1854; Ala 13, Estaca Salt Lake, Relief Society Records, 1854–1857 [Registros da Sociedade de Socorro], 7 de junho de 1854, Biblioteca de História da Igreja; Derr e outros, First Fifty Years [Os Primeiros 50 Anos], pp. 190–191.

  6. [6]Os primeiros esforços de socorro organizados em Utah ocorreram no início dos anos de 1850, começando com as reuniões de costura da Ala 2 de Salt Lake City. Lydia Goldthwaite Knight coordenou uma Sociedade de Socorro especifica para a Ala Salt Lake City 1, em 1854, e o bispo Shadrach Roundy chamou Patty Sessions como presidente da Sociedade de Socorro da Ala Salt Lake City 16 em junho daquele ano. Outras sociedades começaram entre 1854 e 1857. As sociedades organizadas em Salt Lake City incluíam as Alas 3, 6, 7, 11, 14 e 15 (Ala 2, Estaca Salt Lake, história manuscrita e relatórios históricos, datilografado, p. 7, Biblioteca de História da Igreja; Susa Young Gates, “Relief Society Beginnings in Utah” [O início da Sociedade de Socorro em Utah], Relief Society Magazine [Revista da Sociedade de Socorro] 9, nº 4, abril de 1922, pp. 185–190; ver também Jensen, “Forgotten Relief Societies” [Sociedades de Socorro Esquecidas]).

  7. [7]Escritório do historiador, General Church Minutes [Atas Gerais da Igreja], 1839–1877, 4 de junho de 1854, Biblioteca de História da Igreja.

  8. [8]Registros da Sociedade de Socorro da Ala 13, 7 de junho de 1854; Louisa R. Taylor, “Records of the Female Relief Society Organized on the 9th of Feb,y in the City of Great Salt Lake 1854 Utah Territory” [Registros da Sociedade de Socorro Feminina organizada em 9 de fevereiro, em Salt Lake City, em 1854, Território de Utah], 13 de junho de 1854, p. 30, BYU; Derr e outros, First Fifty Years [Os Primeiros 50 Anos], p. 197.

  9. [9]Registros da Sociedade de Socorro da Ala 13, 14 de junho de 1854; Nauvoo Relief Society Minute Book [Livro de atas da Sociedade de Socorro de Nauvoo], 24 de março de 1842, p. 15; 14 de abril de 1842, p. 27; 26 de maio de 1842, p. 53; 4 de agosto de 1842, p. 77, em Derr e outros, First Fifty Years [Os Primeiros 50 Anos], pp. 37, 47, 70–71, 91.

  10. [10]Registros da Sociedade de Socorro da Ala 13, 19 de julho de 1854; “Historical Sketch of the 13th Ward Relief Society” [Esboço histórico da Sociedade de Socorro da Ala 13], Ala 13, Estaca Salt Lake, Relief Society Minutes and Records [Registros e atas da Sociedade de Socorro], Minute Book “A” [Livro de Atas “A”], 1868–1898, 17 março de 1892, p. 646, Biblioteca de História da Igreja; Leonard J. Arrington, From Quaker to Latter-day Saint: Bishop Edwin D. Woolley [De Quaker a Santo dos Últimos Dias: Bispo Edwin D. Woolley], Salt Lake City: Deseret Book, 1976, pp. 337–338.

  11. [11]Registros da Sociedade de Socorro da Ala 13, 6 de maio de 1857. Ela se casou com o terceiro marido, Joseph Busby, que se tornou mestre de obras da assembleia legislativa do território de Utah em 13 de março de 1856 (Kate B. Carter, comp., “The Year of 1864” [O ano de 1864], em Our Pioneer Heritage [Nossa Herança Pioneira], 20 vols., Salt Lake City: Daughters of Utah Pioneers [Salt Lake City: Filhas dos Pioneiros de Utah], 1965, vol. 8, p. 4; Endowment Index [Índice de investiduras], 1846–1969, Matilda Dudley, microfilme 1.262.865, Biblioteca de História da Família; Registros e Atas da Sociedade de Socorro da Ala 13, p. 646).

  12. [12]Registros e Atas da Sociedade de Socorro da Ala 13, p. 646; Jill Mulvay Derr, Janath Russell Cannon e Maureen Ursenbach Beecher, Women of Covenant: The Story of Relief Society [Mulheres do Convênio: A história da Sociedade de Socorro], Salt Lake City: Deseret Book, 1992, p. 80.

  13. [13]Augusta Adams Cobb era da região de Boston. Ela se casou com Brigham Young, sendo a segunda esposa do casamento plural dele e se mudou para Utah em 1848. Augusta serviu como primeira conselheira de Matilda Dudley (Jeffery Ogden Johnson, “Determining and Defining ‘Wife’: The Brigham Young Households” [Determinando e definindo “Esposa”: As famílias de Brigham Young], Dialogue: A Journal of Mormon Thought [Diálogo: Um diário do pensamento mórmon], 20, nº 3, outono de 1987, p. 60; “Augusta Adams Cobb”, Mormon Pioneer Overland Travel [Viagem por terra dos pioneiros mórmons], 1847–1868, acesso em 13 de junho de 2016, history.LDS.org; Registros da Sociedade de Socorro da Ala 13, 7 de junho de 1854).

  14. [14]Matilda Dudley havia se casado com Joseph Busby e estava usando o sobrenome dele por ocasião da reunião de junho de 1854.

  15. [15]George Busby doou o livro de atas da Sociedade de Socorro que pertencera à sua mãe, Matilda Dudley Busby, ao escritório do historiador da Igreja aproximadamente 23 anos depois que ela faleceu (Clarissa Smith Williams e Amy Brown Lyman, “The Official Round Table” [A mesa redonda oficial], Relief Society Magazine [Revista da Sociedade de Socorro], 6, nº 1, janeiro de 1919, p. 43).