The Church Historian's Press The Church Historian's Press

6

Buscar o Senhor para obter sabedoria

Conselho de saúde das mulheres

Antigo tabernáculo, Praça do Templo, Salt Lake City, Território de Utah

28 de agosto de 2014


Phoebe Ann Morton (1786–1854) nasceu em uma família de pais da classe operária em Guilford, Massachusetts, e se casou aos 16 anos com James Angell, em Providence, Rhode Island. O casal teve dez filhos, sendo que quatro faleceram ainda pequenos.1 Após o rompimento do casamento triste de Phoebe, seu filho Truman O. Angell recordou que ela tinha “sete filhos para sustentar e nada além de suas próprias mãos para ajudá-la a ganhar o sustento da família”. Ele expressou compaixão pelos “sofrimentos da minha mãe como consequência da conduta de meu pai em relação a ela. Suas provações foram verdadeiramente grandes e minha mãe quase foi subjugada por elas”.2

Phoebe Angell foi batizada em janeiro de 1833, enquanto vivia em Nova York.3 Essa mãe que criava os filhos sozinha foi morar com a família em Kirtland, Ohio, entre 1834 e 1835; em 1838, mudou-se para Far West, Missouri.4 Como parteira em Far West, ela ajudou Mary Fielding Smith a dar à luz Joseph F. Smith e cuidou de Mary e de Joseph enquanto Hyrum Smith, o marido e pai, estava preso em Liberty, Missouri.5 Em 14 de abril de 1842, ela se filiou à Sociedade de Socorro de Nauvoo. Por ter pouco dinheiro e poucos recursos para doar, Phoebe Angell se ofereceu para “consertar roupas velhas, quando necessário, quando não fosse possível obter tecido novo”.6 Depois que chegou ao Vale do Lago Salgado, em 1848, ela trabalhou como parteira e enfermeira, visitando e cuidando constantemente de mulheres doentes. No final da vida, em 1854, quando sua própria saúde estava debilitada, outras pessoas ajudaram a cuidar dela.7

Muitas mulheres nos séculos 18 e 19, inclusive Phoebe Angell, praticavam a medicina “social”; elas tratavam doenças comuns, enfermidades e lesões com seus próprios medicamentos feitos em casa, incluindo pomadas, xaropes, chás, unguentos, cataplasmas e curativos.8 Na época em que a medicina moderna alcançou altas taxas de sucesso, muitas pessoas combinavam o então popular uso de remédios naturais e ervas com a fé e a oração fervorosa e, geralmente, não confiavam nos médicos e em seus remédios sem comprovação efetiva.9 As mulheres mórmons, como suas contemporâneas americanas, desenvolveram uma rede informal de saúde dentro de suas comunidades em Nauvoo, Illinois, provendo cuidados médicos para si mesmas, para a família e para os vizinhos. Os líderes da Igreja pediram que algumas mulheres atuassem como parteiras e enfermeiras, sendo algumas designadas por imposição de mãos para essas responsabilidades.10 A Sociedade de Socorro de Nauvoo coordenava o serviço prestado aos doentes e aos pobres e, mesmo depois da dissolução da Sociedade de Socorro de Nauvoo, em 1845, enquanto cruzavam as planícies, elas ainda se reuniam informalmente para ajudar e cuidar umas das outras.11

Willard Richards, um apóstolo e médico naturalista, organizou o Conselho de Saúde em 1849, em Salt Lake City, para cuidar dos problemas de saúde que os santos estavam enfrentando em suas novas e difíceis condições de vida.12 As mulheres participavam do conselho e criaram uma seção para treinar parteiras.13 Em 1852, Phoebe Angell era a presidente do Conselho de Saúde das Mulheres; Patty Sessions e Susannah Liptrot Richards eram suas conselheiras. Elas se reuniam todas as semanas e apresentavam palestras ou compartilhavam experiências pessoais e receitas de remédios naturais. Às vezes, elas também falavam em línguas e davam bênçãos, uma prática comum entre as mulheres santos dos últimos dias do século 19.14

Na reunião do dia 14 de agosto de 1852, Phoebe Angell falou sobre a importância de combinar a fé com o conhecimento prático e com a experiência em tratar os doentes.

A irmã Angell falou, exortando o conselho a não confiar somente no conhecimento obtido nos livros e nas ervas, mas deveriam buscar o Senhor para obter sabedoria.15 Ela fez referência a uma circunstância em Nauvoo, quando muitas pessoas estavam sofrendo com calafrios e febre. Ela pediu ao Senhor que lhe mostrasse o que fazer para tratar corretamente aquelas pessoas. À noite, como se uma voz estivesse lhe falando, ela ouviu a seguinte receita:16 “Pegue tal porção de eupatório, um punhado de lobélia; coloque meio litro de vinagre e deixe descansar durante a noite; administre ao doente quando o calafrio começar, uma colher de sopa cheia a cada hora”.17 Ela prestou testemunho do grande bem que essa receita fez. Naquele verão, ela usou 35 litros de eupatório.18

Notas de rodapé

  1. [1]Laura P. Angell King, “Mother and Midwife and Nurse” [Mãe, Parteira e Enfermeira], Laura P. Angell King Papers [Documentos de Laura P. Angell King], p. 1, Biblioteca de História da Igreja.

  2. [2]Truman O. Angell, “Autobiography” [Autobiografia], 1884, pp. 3, 6, Biblioteca de História da Igreja. Esse primeiro rompimento foi temporário e durou de três a quatro anos. Eles ficaram juntos novamente por mais de uma década e depois se separaram.

  3. [3]Angell, “Autobiography” [Autobiografia], p. 7; King, “Mother and Midwife and Nurse” [Mãe, Parteira e Enfermeira], p. 2; ver também Paul L. Anderson, “Truman O. Angell: Architect and Saint” [Truman O. Angell: Arquiteto e santo dos últimos dias], em Supporting Saints: Life Stories of Nineteenth-Century Mormons [Santos Colaboradores: Histórias da vida de mórmons do Século 19], editor Donald Q. Cannon e David J. Whittaker, Provo, UT: Religious Studies Center, Brigham Young University, 1985, p. 134.

  4. [4]“Obituary Notice” [Notificação de obituário], Deseret News, 1º de fevereiro de 1855; Angell, “Autobiography” [Autobiografia], pp. 6–7.

  5. [5]King, “Mother and Midwife and Nurse” [Mãe, Parteira e Enfermeira], pp. 2–3.

  6. [6]Nauvoo Relief Society Minute Book [Livro de atas da Sociedade de Socorro de Nauvoo], 14 de abril de 1842, p. 26; 16 de junho de 1843, p. 91, em Jill Mulvay Derr, Carol Cornwall Madsen, Kate Holbrook e Matthew J. Grow, editores, The First Fifty Years of Relief Society: Key Documents in Latter-day Saint Women’s History [Os Primeiros 50 Anos da Sociedade de Socorro: Documentos importantes da história das mulheres santos dos últimos dias], Salt Lake City: Church Historian’s Press, 2016, pp. 46, 101.

  7. [7]King, “Mother and Midwife and Nurse” [Mãe, Parteira e Enfermeira], p. 4; Patty Bartlett Sessions, Mormon Midwife: The 1846–1888 Diaries of Patty Bartlett Sessions [Parteira Mórmon: Os diários de Patty Bartlett Sessions de 1846–1888], editora Donna Toland Smart Logan: Utah State University Press, 1997, pp. 181, 194, 203, 209, 210.

  8. [8]Para mais informações sobre a prática da medicina social entre as mulheres dos séculos 18 e 19, ver Laurel Thatcher Ulrich, A Midwife’s Tale: The Life of Martha Ballard, Based on Her Diary, 1785–1812 [História de uma Parteira: A vida de Martha Ballard, com base em seu diário, 1785–1812], New York: Vintage Books, 1991, pp. 11–12, 47, 61–66.

  9. [9]Samuel Thomson, New Guide to Health; or, Botanic Family Physician, Containing a Complete System of Practice [Novo Guia da Saúde; ou Médico Botânico da Família, Contendo um Sistema Completo da Prática], 3ª ed., Boston: J. Howe, 1831, pp. 38–48, 70–71; Z[ebedee] Snow, “Speeches Delivered at the Assembly of the Council of Health, on Ensign Peak” [Discursos proferidos na assembleia do conselho de saúde, no Ensign Peak, Deseret News, 14 de julho de 1852; Christine Croft Waters, “Pioneering Physicians in Utah, 1847–1900” [Médicos pioneiros em Utah, 1847–1900], tese de mestrado, University of Utah, 1976, pp. 14, 16.

  10. [10]Elizabeth Ann Whitney recordou que Joseph Smith a ordenou por imposição de mãos para “administrar os doentes”, em Nauvoo. Também em Nauvoo, Brigham Young e Heber C. Kimball designaram Patty Sessions como uma “médica de mulheres” (Elizabeth Ann Whitney, “A Leaf from an Autobiography” [Uma página de autobiografia], Woman’s Exponent, 7, nº 12, 15 de novembro de 1878, p. 91; Phoebe C. Sessions, “Biographical Sketch” [Esboço biográfico], Woman’s Exponent, p. 27, nº 1–2, 1º e 15 de junho de 1898, p. 294).

  11. [11]Maureen Ursenbach Beecher, Eliza and Her Sisters [Eliza e Suas Irmãs], Salt Lake City: Aspen Books, 1991, pp. 75–97; Derr e outros, First Fifty Years [Os Primeiros 50 Anos] p. 178.

  12. [12]Escritório do historiador, Journal History [Diário da história], vol. 73, 21 de fevereiro de 1849, Biblioteca de História da Igreja. Em 1852, essas reuniões ocorriam no Representative Hall, no Ensign Peak, em diversas salas, nas alas ou no antigo tabernáculo e eram frequentadas por algo entre 40 e 30 pessoas. “Council of Health” [Conselho de saúde], Deseret News, 20 de março de 1852; “[Sem título]”, Deseret News, 15 de maio de 1852; “[Sem título]”, Deseret News, 26 de junho de 1852; “Extracts from J. W. Cummings’ Address before the ‘Council of Health’ and Their Friends” [Extrato do discurso de J. W. Cummings antes do “Conselho de Saúde” e seus amigos, no Ensign Hill], 16 de junho, Deseret News, 10 de julho de 1852; “Speeches Delivered at the Assembly of the Council of Health on Ensign Peak” [Discursos proferidos na assembleia do Conselho de Saúde no Ensign Peak], Deseret News, 24 de julho de 1852; “[Sem título]”, Deseret News, 21 de agosto de 1852; Jessie Del Macdonald Clawson, “Pioneer Physicians” [Médicos pioneiros], em Museum Memories [Museu de Memórias], Salt Lake City: International Daughters of Utah Pioneers, 2010, vol. 2, p. 83).

  13. [13]O conselho de saúde das mulheres foi organizado em julho de 1851. Para mais informações e uma imagem da reunião de 14 de agosto de 1852, incluída nesta publicação, ver Derr e outros Os Primeiros 50 Anos, pp. 179–180. Willard Richards, a esposa Hannah e o irmão Phineas ministraram cursos de enfermagem, parto e cuidados com as crianças na casa de Phoebe Angell (“[Sem título]”, Deseret News, 15 de maio de 1852; Claire Wilcox Noall, “Utah’s Pioneer Women Doctors” [Médicas pioneiras de Utah], Improvement Era, p. 42, nº 1, janeiro de 1939, p. 16; Coleção da família Richards, “Phineas Richards Journal” [Diário de Phineas Richards], 6 de maio–20 de dezembro de 1851, Biblioteca de História da Igreja).

  14. [14]Sessions, Mormon Midwife [Parteira Mórmon], pp. 169, 181, 194, 203; Coleção da família Richards, “Phineas Richards Journal” [Diário de Phineas Richards], 6 de maio–20 de dezembro de 1851; “Council of Health” [Conselho de Saúde], Deseret News, 20 de março de 1852; “[Sem título]”, Deseret News, 3 de abril de 1852; “[Sem título]”, Deseret News, 21 de agosto de 1852; Thomas Carter, Building Zion: The Material World of Mormon Settlement [Edificar Sião: O mundo temporal da colonização mórmon], Minneapolis: University of Minnesota Press, 2015, pp. 210–212. Para mais informações sobre a prática de cura realizada pelas mulheres do século 19, ver Derr e outros, First Fifty Years [Os Primeiros 50 Anos], xxi–xxv; e “Ensinamentos de Joseph Smith sobre o sacerdócio, o templo e as mulheres”, Tópicos do evangelho, acessado em 2 de maio de 2016, LDS.org.

  15. [15]Brigham Young expressou os mesmos sentimentos: “Parece-me consistente administrar todos os remédios que estão dentro do alcance do meu conhecimento e pedir ao Pai Celestial, em nome de Jesus Cristo, que santifique essa administração para a cura do meu corpo; para alguns, isso pode parecer inconsistente. (…) Mas é meu dever fazê-lo quando está em meu poder. No caso de doença, muitas pessoas não querem fazer algo por si mesmas, mas querem pedir que o Senhor faça tudo” (Brigham Young, “Discourse” [Discursos], Deseret News, 10 de setembro de 1856).

  16. [16]According to Noah Webster’s, American Dictionary of the English Language 1828, receita era uma palavra comum usada para prescrição.

  17. [17]O eupatório era uma erva usada como remédio caseiro comum no século 19, em especial durante epidemias de gripe e tem efeito diurético. A lobélia era uma planta silvestre comum, às vezes conhecida como “tabaco indiano” e suas folhas eram usadas para doenças respiratórias, asma, tosse e problemas pulmonares; também era usada para limpar o estômago e provocar o vômito (Thomson, New Guide to Health [Novo Guia de Saúde], pp. 38–48, 70–71; W. A. Newman Dorland, The American Illustrated Medical Dictionary [Dicionário Médico Ilustrado Americano], Filadélfia: W. B. Saunders, 1900, pp. 244, 364; S. Henry Dessau, “The Treatment of Epidemic Influenza” [Tratamento da gripe epidêmica], New York Medical Times, 22, nº 4, abril de 1894, p. 97).

  18. [18]Depois do discurso de Phoebe Angell, a “irmã Gibbs”, o Dr. Samuel Sprague e Patty Sessions forneceram receitas para diversas enfermidades. A irmã Gibbs poderia ser Sarah Waterous Gibbs (Eldredge), que mais tarde dirigiu um “hospital do lar”, de assistência a crianças doentes (Pioneer Women of Faith and Fortitude [A Fé e a Força das Mulheres Pioneiras], 4 vols., Salt Lake City: International Society of Daughters of Utah Pioneers, 1998, vol. 1, p. 884).