The Church Historian's Press The Church Historian's Press

4

Segundo a ordem do céu

Sociedade de Socorro de Nauvoo.

Lodge Room, Loja de Tijolos Vermelhos, Nauvoo, Illinois

19 de abril de 1842


Vinte mulheres se reuniram para a primeira reunião da Sociedade de Socorro no dia 17 de março de 1842 e, na segunda reunião, a presidente Emma Hale Smith ensinou essas mulheres a “promoverem a união dentro desta sociedade”, incentivando todas que desejassem se unir a ela.1 As conselheiras, Sarah Marietta Kingsley Howe Cleveland (1788–1856) e Elizabeth Ann Smith Whitney (1800–1882) e a secretária Eliza Roxcy Snow (1804–1887) contribuíram para o espírito inclusivo e acolhedor da sociedade. Na quinta reunião, realizada no dia 19 de abril de 1842, havia 158 membros, incluindo Lucy Mack Smith (1775–1856), Elizabeth Davis Goldsmith Brackenbury Durfee (1791–1876), Martha “Patty” Bartlett Sessions (1795–1892), Abigail Calkins Leonard (1795–1880) e outras que participaram dos debates, dos testemunhos e dos serviços.2

Algumas mulheres que viviam fora de Nauvoo, Illinois, tinham ouvido sobre a organização e desejavam fazer parte dela. Presendia Lathrop Huntington Buell (1810–1892), por exemplo, morava em Lima, Ohio, cerca de 48 quilômetros ao sul.3 Ela viajou até Nauvoo, onde sua irmã, Zina D. Huntington Jacobs [Young], morava para participar da Sociedade de Socorro e recebeu as boas-vindas das irmãs como novo membro da sociedade.4 Posteriormente, outros grupos da Sociedade de Socorro se reuniam em cidades vizinhas.5 A Sociedade de Socorro tinha um local central onde as mulheres se reuniam a despeito de onde morassem, da idade e da situação socioeconômica. Lucy Mack Smith “alegrou-se em ver o que estava acontecendo. Quando ela entrou e viu as irmãs, sentiu-se profundamente interessada. [Ela] chorou (…) [e] desejou que o Senhor abençoasse e ajudasse a sociedade a fim de que pudessem alimentar os famintos, vestir os nus (…) [e] se sentiu compelida a orar para que as bênçãos do céu repousassem sobre a sociedade”.6

Joseph Smith ensinou à Sociedade de Socorro que essa instituição seguia a mesma ordem antiga existente nos tempos do Velho e do Novo Testamento.7 Conforme comprovado nessa reunião do dia 19 de abril, as mulheres da Sociedade de Socorro exerceram os dons do Espírito, acreditando que esses dons faziam parte da restauração do evangelho de Jesus Cristo.8 Algumas falaram em línguas, enquanto outras as interpretaram. Elas deram e receberam bênçãos de saúde e conforto, o que permitiu que participassem em rituais sagrados e que estreitassem seus laços de amizade.9 Conforme mencionado nessa reunião, essas experiências contribuíram para que o “Espírito do Senhor fosse derramado sobre a sociedade”. A reunião da Sociedade de Socorro era um evento participativo, consistindo mais de debates do que de lições ou discursos formais. Muitas mulheres falaram. O testemunho público e as bênçãos pessoais dessas mulheres revelam o alívio emocional que encontraram no serviço e na comunhão.

Uma reunião especial da sociedade, que fora agendada previamente de comum acordo, foi presidida pela conselheira [Sarah] Cleveland, pois a presidente Emma Smith não estava presente.10

A reunião começou com um hino. A oração foi oferecida pela conselheira Cleveland. O coro apresentou um hino. (…)

Em seguida, a conselheira Cleveland se levantou e se dirigiu à congregação, dizendo que a reunião tinha sido especialmente convocada para o ingresso da sra. Buell, que residia longe e fora privada dos mesmos privilégios das irmãs em Nauvoo, e que ela desejava se tornar membro dessa sociedade. Não havia muitos assuntos a serem tratados, portanto poderiam passar o tempo em exercícios religiosos perante o Senhor. Ela falou sobre a felicidade que sentia na atual associação de mulheres e fez comentários muito apropriados sobre os deveres e as perspectivas da sociedade, que foi organizada segundo a ordem do céu, etc.11

A conselheira Elizabeth Whitney também fez comentários muito interessantes e incentivou todas as presentes a expressarem livremente os seus sentimentos.

A sra. Buell se levantou e disse que se alegrava com a oportunidade de falar e que considerava isso um privilégio. Ela sentiu o Espírito do Senhor na sociedade e se alegrou por se tornar um membro embora residisse longe e não pudesse comparecer às reuniões.

A loja de tijolos vermelhos de Joseph Smith

A loja de tijolos vermelhos de Joseph Smith. Por volta de 1885–1886. A reunião de fundação da Sociedade de Socorro Feminina de Nauvoo ocorreu no segundo andar dessa loja de produtos secos, em 17 de março de 1842. A loja de tijolos vermelhos era o local onde as mulheres se reuniam e compartilhavam suas necessidades, preocupações e o ministério espiritual. Fotografia por Brigham H. Roberts. (Biblioteca de História da Igreja, Salt Lake City)

A mãe Smith falou com sincero pesar por sua situação solitária e de seus sentimentos enquanto refletia sobre a preocupação do pai Smith com as irmãs quando na vida ele presidia as reuniões.12

A sra. Durfee prestou testemunho da grande bênção que recebeu, ao término da última reunião, por meio da presidente Emma Smith e de suas conselheiras Sarah Cleveland e Elizabeth Whitney.13 Ela disse que nunca antes fora tão beneficiada pela ministração, que estava curada e que achava que as irmãs tinham mais fé do que os irmãos.

A srta. Snow, depois de fazer alguns comentários sobre a sociedade, sobre a importância de agir com sabedoria e de andar com humildade perante Deus, etc., disse que tinha uma bênção para a sra. Buell por ela ter se tornado membro da sociedade. Assim como o caráter de uma pessoa influencia cada membro do grupo, desejava que o Espírito do Senhor, que permeia essa sociedade, derrame-Se sobre ela. Ela o sentirá e se alegrará e será abençoada onde estiver, pois o Senhor abrirá um caminho para que ela seja um instrumento para realizar muitas coisas. Por meio de seus próprios esforços e com a orientação de outros, ela será capaz de contribuir muito com o fundo da sociedade. Ela aquecerá o coração dos que estão frios e adormecidos e será um instrumento para realizar muita retidão.

A sra. Leonard, a conselheira Whitney e a conselheira Cleveland prestaram testemunho das verdades que a srta. Snow disse para a sra. Buell.

A conselheira Cleveland afirmou que sentiu muitas vezes em seu coração o que não poderia expressar em seu próprio idioma e, como o profeta lhes havia dado a liberdade de aprimorar os dons do evangelho em suas reuniões e sentir o poder sobre elas, desejava falar no dom de línguas, o que ela fez de maneira poderosa.14

A sra. Sessions se levantou e traduziu o que a conselheira Cleveland havia falado em um idioma desconhecido. Ela disse que o Senhor estava satisfeito com essa sociedade e que, se fossem humildes e fiéis, o Senhor daria liberalmente a todos os membros o dom da profecia. Que, quando a conselheira Cleveland colocou as mãos sobre a cabeça da irmã Snow, disse que não somente ela, mas todas também teriam o Espírito. Que a conselheira Cleveland se dirigiu para a mãe Smith e disse que as orações do pai Smith estavam agora sendo respondidas sobre os membros da sociedade. Que os dias da mãe Smith seriam prolongados e ela se reuniria muitas vezes na sociedade, que desfrutaria da associação com as irmãs e depois seria coroada como a mãe dos que se provarem fiéis, etc.15

A reunião foi muito interessante, quase todas as que estavam presentes se levantaram e falaram e o Espírito do Senhor, como uma fonte de água purificadora, revigorou-lhes o coração.

A sra. Mary Smith indicou Elizabeth Eaton para coordenar o trabalho de costura da sociedade por causa de sua habilidade com bordados.

A reunião terminou com uma oração oferecida pela mãe Smith e um hino pelo coro. Em seguida, a sra. Leonard recebeu uma bênção das conselheiras Cleveland e Whitney para que sua saúde fosse restabelecida.